A cidade que não morreu: modernidade e tradição no Guia de Ouro Preto de Manuel Bandeira

Raul Amaro Lanari

Resumo


RESUMO:

O artigo pretende analisar a obra “Guia de Ouro Preto”, de Manuel Bandeira, publicada pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN) no ano de 1938, estabelecendo nexos com a produção intelectual do SPHAN e com uma rede de intelectuais engajados na afirmação da memória por intermédio dos monumentos durante o Estado Novo no Brasil. Nesse sentido a política editorial do SPHAN será encarada como um vetor cultural, caracterização utilizada por Gomes[1] para descrever as formas de divulgação de representações sobre o nacional por meio da imprensa e dos meios de comunicação.

PALAVRAS-CHAVE: Patrimônio Cultural, Intelectuais, Estado Novo.

ABSTRACT:

This article intends to analyse Manuel Bandeira’s “Guia de Ouro Preto” , published by Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), in 1938. The goal is to take a closer look at the connections between SPHAN’s intellectual production and the intellectual community engaged to reinforce memory through monuments during Estado Novo period in Brazil.

By doing so, SPHAN editorial policy could be considered a Cultural Vector, definition by Gomes, that referes to the vehicles used to represent the concept of National promoted by the Media, with focus on the national press.

 

KEYWORDS: Cultural herritage, intellectuals, Estado Novo.


[1] GOMES, Nas gavetas da história do Brasil: ensino de história e imprensa nos anos 1930., p. 33-35..

Recebido: 28/11/2012   Aceito:08/05/2013


Palavras-chave


Patrimônio Cultural; Intelectuais; Estado Novo

Texto completo:

PDF

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários
 |  Incluir comentário

Direitos autorais