PROGRESSOS DO SERVIÇO SOCIAL NA ATENÇÃO ÀS DEMANDAS DA POPULAÇÃO “T”: UM CAMINHO NA LÓGICA DOS DIREITOS HUMANOS.

Fabiana Bacellar Villani, Luiz Paulo Ribeiro, Márcio Luiz Guglielmoni

Resumo


Progress of Social Services in Care Population "T" 1: a path in the logic of human rights

Resumo: O presente artigo perfaz um resgate histórico do Serviço Social com o objetivo de identificar quais e como se deram as evoluções sócio históricas da profissão, verificando quais foram os progressos brasileiros na Assistência Social e nas suas políticas em relação ao atendimento às demandas da População T. Nessa retomada das evoluções históricas da profissão dos Assistentes Sociais desde a atribuição assistencialista, o movimento de reconceituação, até a regulamentação como profissão para, desse modo, reforçar a necessidade de uma prática profissional pautada na defesa e na promoção dos direitos humanos. Para tal, adota-se a metodologia histórico-documental a partir da análise dos dispostos no Código de Ética dos/as Assistentes Sociais, no Projeto Ético Político Profissional do Serviço Social, nas orientações do conjunto CFESS-CRESS, na Política Nacional de Assistência Social, na Norma Operacional Básica NOB/SUAS, na Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais,nos Princípios de Yogyakarta e na Cartilha Nascidos Livres e Iguais. Constatou-se alguns avanços nestes dispositivos que orientam a prática profissional tais como a inclusão dos termos “orientação sexual” e “identidade de gênero” porém percebeu-se que o Serviço Social tem um longo caminho a percorrer junto à população T.
Palavras-chaves: Serviço Social, direitos humanos, transexualidade.
Abstract: This paper represents a historical rescue of the Social Service in order to identify the social and historical evolution of the profession, verifying the Brazilian progress in Social Assistance and its policies in relation to the demands of the Transvestite and Transsexual Population. In this resumption of the historical evolution of the profession of Social Workers from the attribution of assistance, the movement of reconceptualization, to regulation as a profession in Brazil to thereby reinforce the need for a professional practice based on the defense and promotion of human rights. For this purpose, the documentary-historical methodology is adopted based on the analysis of those established in the Code of Ethics of the Social Assistants, in the Professional, Political and Ethical Project of the Social Service, in the guidelines of the CFESS-CRESS group, in the National Social Assistance Policy , the Basic Operational Standard NOB / SUAS, the National Typification of Social Assistance Services, the Yogyakarta Principles and the Born Free and Equals Primer. Some advances were found in these devices that guide professional practice such as the inclusion of the terms "sexual orientation" and "gender identity" but it was noticed that Social Work has a long way to go next to Transvestite and Transsexual Population.
Keywords: Social work, human rights, transsexuality.

Recebido em: 11/11/2017  – Aceito em 23/02/2018


Palavras-chave


Serviço Social, direitos humanos, transexualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMIDES, Maria Beatriz Costa. O Projeto Ético-Político Profissional do Serviço Social Brasileiro. 2006. 401 f. Tese (Doutorado em Serviço Social). Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). Assassinatos de Pessoas Trans. Disponível em https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1yMKNg31SYjDAS0N-ZwH1jJ0apFQ&hl=en_US&ll=-17.152191563664402%2C-51.334074999999984&z=4. Acesso em 10 de Abril de 2017.

Associação dos Profissionais de Serviço Social. Definição Global da Profissão de Serviço Social. Disponível em http://www.apross.pt/profissao/definição/. Acesso em 10 de Julho de 2017.

BARROCO, Maria Lúcia. Ética em Serviço Social: fundamentos ontológicos. São Paulo: Cortez, 8 ed. 2010.

BRASIL, Ministério da Previdência e Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social

(PNAS). Brasília: MPASSEAS, 1999.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social. RELATÓRIO DA IV CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Brasília, DF: MDS. 07 a 10 de Dezembro de 2003.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social NOB/SUAS. Brasília, 2005.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social NOB/SUAS. Brasília, 2012.

CFESS MANIFESTA. O amor fala todas as línguas. Assistente Social na luta contra o preconceito: campanha pela livre orientação e expressão sexual. Disponível em http://www.cfess.org.br/arquivos/CFESSMANIFESTA-OAMORFALATODASASLINGUAS.pdf. Acesso em 03 de Agosto de 2017.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CEFESS). Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social. Brasília: CFESS, 2009.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). A definição de trabalho social da FITS: Por que revisar? Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 108, p. 733-747, out./dez. 2011.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CEFESS). Código de Ética Profissional do/a Assistente Social. Brasília: CFESS, 2011.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). WORKSHOP SOBRE A DEFINIÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL. Disponível em http://www.cfess.org.br/arquivos/diagramacao_definicao_workshop.pdf. Acesso em 10 de Julho de 2017.

CISNE, Mirla. SERVIÇO SOCIAL: UMA PROFISSÃO DE MULHERES PARA MULHERES? Uma análise crítica da categoria gênero na história da “feminização” da profissão.

205 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Curso de Mestrado em Serviço Social em Universidade Federal de Pernambuco.

Grupo Gay da Bahia (GGB). ASSASSINATOS DE LGBT NO BRASIL: RELATÓRIO DE 2016. Disponível em https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/relatc3b3rio-2016-ps.pdf. Acesso em 10 de Abril de 2017.

IAMAMOTO, Marilda Villela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 24.ed. São Paulo: Cortez, 2013.

MONTAÑO, Carlos. A natureza do serviço social: um ensaio sobre sua gênese, a especificidade e sua reprodução. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

NETTO, José Paulo. A construção do projeto ético‐político contemporâneo. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 1. Brasília: CEAD/ABEPSS/CFESS, 1999.

NETTO, José Paulo. A Reconceituação: ainda viva, 40 anos depois. In: ALAYÓN, N. (Org.). Trabajo Social Latinoamericano. A 40 años de la Reconceptualización. Buenos Aires: Espacio.

OLIVEIRA, Simone Barros de. As Interfaces da Cultura de Paz com o Projeto Ético-Político do Serviço Social. 2009. 184 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Faculdade de Serviço Social do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social em Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Organização das Nações Unidas (ONU). NASCIDOS LIVRES E IGUAIS. Orientação Sexual e Identidade de Gênero no Regime Internacional de Direitos Humanos. Brasília, 2013. Disponível em http://www.ohchr.org/Documents/Publications/BornFreeAndEqualLowRes_Portuguese.pdf. Acesso em 14 de Julho de 2017.

Organização das Nações Unidas (ONU). O que são os direitos humanos? Disponível em https://nacoesunidas.org/direitoshumanos/. Acesso em 15 de Julho de 2017.

PECES-BARBA, Gregório. Derechos Fundamentales. Latina Universitaria, Madrid, 1980.

PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA. Princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. Disponível em http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/gays/principios_de_yogyakarta.pdf. Acesso em 15 de Julho de 2017.

PEREIRA, Sheila da Silva. O PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL NO DEBATE PROFISSIONAL: uma análise das produções apresentadas no XI CBAS sobre a particularidade da política de assistência social. 207. 156 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Centro de Filosofia e Ciências Humanas do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social.

Secretaria Especial de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Relatório de Violência Homofóbica no Brasil: ano 2013. Brasília, 2016. Disponível em http://www.sdh.gov.br/assuntos/lgbt/dados-estatisticos/Relatorio2013.pdf. Acesso em 10 de Abril de 2017.

SILVA, Maria Ozanira Silva. O Serviço Social e o popular: resgate teórico-metodológico do projeto profissional de ruptura. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

TDoR 2016 Press Release. Disponível em https://tgeu.org/tdor-2016-press-release/. Acesso em 10 de Abril de 2017.

TEIXEIRA, Solange Maria. FAMÍLIA NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL: avanços e retrocessos com a matricialidade sociofamiliar. Rev. Pol. Públ. São Luis, v. 13, n. 2, p. 255-264 jul./dez. 2009.

TRINDADE, Mably. Violência Institucional e Transexualidade: desafios para o Serviço Social. Revista Praia Vermelha Estudos de Política e Teoria Social. V.25. n.1. Jan/Jun 2015. Rio de Janeiro.

YAZBECK, Maria Carmelita. O significado sócio-histórico da profissão. Disponível em http://unesav.com.br/ckfinder/userfiles/files/O_significado_socio-_historico_da_profissao%20Yasbek.pdf. Acesso em 10 de Junho de 2017.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Fabiana Bacellar Villani, Luiz Paulo Ribeiro, Márcio Luiz Guglielmoni

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

NOVO QUALIS CAPES B2