SOBRE AS TRÁGICAS E AMBÍGUAS RACIALIZAÇÕES DA HISTORIOGRAFIA MUSICAL BRASILEIRA. (Dossiê: Música, Linguagem e Sociedade)

Jonatha Maximiniano do Carmo

Resumo


RESUMO: O presente trabalho abordou a racialização que atinge de forma decisiva a construção do pensamento da historiografia musical brasileira. Propôs o acompanhamento da relação entre a construção da narrativa da história da música imbricada aos diversos panoramas vividos em torno das teorias raciais no pensamento ocidental e seus reflexos nos processos civilizatórios da cultura brasileira. Buscou entender como o termo raça foi historicamente transformado em signo de depreciação. A partir de dois autores, Guilherme de Mello e Renato Almeida, demonstramos as tendências que os aproximam e que acabam por inscrever certa previsibilidade do discurso: uma racialização na historiografia da música brasileira.

 Recebido em: 06/06/2016  – Aceito em 06/08/2016

Palavras-chave: Música e cultura. Discurso racial. Historia da música brasileira.

ABSTRACT: The present essay approached the racialization that affected in a decisive way the building of a Brazilian musical historical thinking. It proposed the observation of the relation among the building of a musical historical narratives in an observation of the multiple living panoramas around the racial theories in Western thinking and its consequences in the civilization process of Brazilian culture. It sought to understand how the term racial was historically used as a depreciation sign. To begin with two authors, Guilherme de Mello and Renato Almeida, we demonstrated the tendencies which put them together and end by signing some sort of predictability in the discourse: a racialization in Brazilian music historiography.

Keywords: Music and culture. Racial discourses. The history of Brazilian music.

 Recebido em: 06/06/2016  – Aceito em 06/08/2016


Palavras-chave


Música, Cultura musical, Discurso racial, Historia da música.

Texto completo:

PDF

Referências


Bibliografia

ALMEIDA, Renato. “História da Música Brasileira”. Rio de Janeiro: F. Briguiet & Comp., Editores, 1926.

AZEVEDO, Luiz Heitor Corrêa de. “150 Anos de Música no Brasil (1800-1950)”. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1956.

BASTOS, Rafael José de Menezes. “O índio na música brasileira: recordando quinhentos anos de esquecimento”. In: TUGNY, Rosângela; QUEIROZ, Ruben Caixeta (orgs). Músi-cas africanas e indígenas no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

CARVALHO, Mário Vieira de. “Música e política: o ‘caso’ de Fernando Lopes -Graça (1906 -1994)”. In: Música, Discurso, Poder, ed. por Maria do Rosário Girão dos Santos e Elisa Maria Lessa, Braga. Universidade do Minho/Húmus, 2012. pp.15-41.

CONTIER, Amaldo Daraya. “Mário de Andrade e a Música Brasileira”. In: Revista Música, São Paulo: Depto. de Música, ECA-USP, v.5, n.1, maio de 1994, pp. 33-47.

GOMES COSTA, Rosely. “Mestiçagem, racialização e gênero”. Sociologias. Porto Alegre, ano 11, nº 21, jan./jun. 2009.

KATER, Carlos Elias. “Viva Música E H. J. Koellreutter: Movimentos em direção à moder-nidade”. São Paulo: Musa Editora/Atravez, 2001.

MACHADO NETO, Diósnio. “Em vão vigiam as sentinelas: cânones e rupturas na histori-ografia musical brasileira sobre o período colonial”. Ribeirão Preto. 318f. Tese de Livre-Docência. Universidade de São Paulo, 2011

MARIZ, Vasco. “História da Música no Brasil”. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira: Brasília, 1981.

_________. “Três Musicólogos brasileiros: Mário de Andrade, Renato Almeida, Luiz Heitor Correa de Azevedo”. Rio de Janeiro-Brasília: Civilização Mineira, Instituto Nacional do Livro, 1983.

MELLO, Guilherme de. “A música no Brasil, desde os tempos coloniais até o primeiro de-cênio da República”. 2ª edição, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947

OLIVEIRA, Anderson José Machado de. “Suplicando a ‘dispensa do defeito da cor’: clero secular e estratégias de mobilidade social no Bispado do Rio de Janeiro – século XVIII”. XIII Encontro de História Anpuh-Rio, 2008.

VIANNA, Hermano. “O Mistério do Samba”. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/Ed. UFRJ, 2007.

TINHORÃO, José Ramos. “A Deculturação da Música Indígena Brasileira”. Revista Brasi-leira de Cultura, nº 13, Conselho Federal de Cultura, 1972.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “As marcas do período” In: Abertura Para O Mundo: 1889-1930. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012a. pp. 19-34.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “População e Sociedade” In: Abertura Para O Mundo: 1889-1930. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012b. pp. 35-83.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na so-ciabilidade brasileira”. São Paulo: Claro Enigma, 2012c.

VOLPE, Maria Alice. “A Teoria da Obnubilação Brasílica na História da Música Brasileira: Renato Almeida e a ‘Symphonia da Terra’”. Música em Perspectiva, Curitiba, v. I, n. 1, p.58-71, mar. 2008.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Jonatha Maximiniano do Carmo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

NOVO QUALIS CAPES B2