e-hum

CHAMADA DE ARTIGOS PARA O PRÓXIMO NÚMERO- ATÉ 31 DE MAIO DE 2016!

Dossiê: MÚSICA, LINGUAGEM E SOCIEDADE

O debate acerca das relações entre arte e pesquisa gera uma multiplicidade de interpretações por parte dos artistas e dos pesquisadores. Diversos especialistas defendem que há uma contradição entre arte e pesquisa. Os defensores desta ideia argumentam que o próprio fazer artístico compreenderia em si mesmo um trabalho de pesquisa. Em outras palavras, o próprio “fazer artístico” compreenderia, por sua natureza, os pressupostos de uma pesquisa que busca um estatuto científico. Entre o domínio do saber e o domínio do fazer, o lugar da arte entre a reflexão cientifica e a criação se encontra no centro de um debate que por muitas vezes se apresenta de forma tensa. Pensando a arte deste os gregos, passando pelo renascimento, este tema retorna com vigor atualmente. Contexto de reavaliação dos diálogos entre os mais diversos campos do conhecimento.

 No mundo contemporâneo a fragmentação do conhecimento e o diãlogo entre os diversos saberes constroem novas possibilidades. Tanto o artista quanto o pesquisador atuam no campo do fazer quanto da reflexão. Percebem-se hoje em dia duas concepções: “a pesquisa em arte” e a “pesquisa sobre arte”. A primeira se refere à pesquisa sobre o processo de criação do artista, delimita a pesquisa em torno do campo do artista-pesquisador a partir do processo de instauração de seu trabalho plástico ou de criação musical, questões teóricas e poéticas suscitadas a partir de sua prática. A pesquisa sobre arte diz respeito à teoria crítica e à história. Neste caso, o foco é o estudo do produto final, seus diferentes significados sociais, sua semântica, circulação e legitimação num contexto social.

 Por um lado, a Música se define como campo de pesquisa por meio de uma variedade de temáticas e metodologias próprias da área e, mesmo em diálogo com outras disciplinas, tais como, filosofia, psicologia, sociologia, história ou antropologia, o foco se mantém atrelado às questões próprias à arte musical. De acordo com as tabelas de áreas do Cnpq, a Música está definida dentro da grande área de Linguística, Letras e Artes.  Teoria Musical, Musicologia, Educação Musical, Práticas Interpretativas, Música e Saúde, Música e Tecnologia, Produção Musical, Gestão Musical compõem os seus diferentes campos de conhecimento. Todos estes com suas particularidades, mas que às vezes apresentam fronteiras tênues, pois com o avanço da pesquisa em música estes passaram a dialogar entre si ao passo em que os trabalhos tomam complexidade na construção do objeto de análise.

 Por outro lado, a música vem se tornando objeto de pesquisa de outras áreas do conhecimento, em especial as ciências sociais e a filosofia.  A partir de metodologias particulares à suas áreas, antropólogos voltados para o estudo da etnomusicologia, historiadores e sociólogos voltados para o estudo da música enquanto fonte/objeto em relação à cultura e à sociedade, filósofos que trabalham no campo da linguagem musical, dentre outros diálogos, trazem à tona objetos de estudo que dialogam com a linguagem musical ou com as diferentes conexões entre esta e as diferentes sociedades no tempo.

 Desta forma, as possíveis fronteiras construídas entre “pesquisa em arte” e “pesquisa sobre arte” passam a ser tornar mais porosas influenciadas pela complexidade dos diálogos estabelecidos pelas pesquisas mais recentes. É com esta perspectiva que a Revista E- Hum recebe propostas de artigos, resenhas, críticas documentais para compor o referido dossiê, no intuito de difundir o conhecimento e contribuir com a produção acadêmica que tenha a música como tema/objeto privilegiado.

 

Loque Arcanjo Jr.                              Rangel Cerceau Netto

Organizador do Dossiê                      Editor da Revista E-hum


Imagem para capa da revista

 

1. A revista ehum aceita para publicação entrevistas, transcrições documentais, resenhas e artigos todos devem ser inéditos em sua especialidade: resultados de pesquisas; resenhas e recensões críticas de obras científicas recém-publicadas nas áreas de Educação, Letras, História, Ciências Sociais e Serviço social.

Obs.: não serão aceitos capítulos de dissertações ou teses em que essa condição possa ser constatada no texto. 2. O material para publicação deverá ser encaminhado por meio eletrônico após o cadastro do autor no link acesso do endereço http://www.unibh.br/revistas/ehum

3. Todos os trabalhos deverão ser enviados através do programa Microsoft Word for Windows, em fonte Arial, corpo 12 e espaço 2.

4. Só será aceito para publicação, de cada autor ou conjunto de autores, um artigo por ano.

5. O(s) autor(es) deve(m) ser graduado(s), mestre(s) ou doutor(es). Não serão aceitos trabalhos de alunos sem a co-autoria de seus respectivos orientadores.

6. Os trabalhos encaminhados terão um mínimo de 10 e não devem ultrapassar 20 páginas.

7. O material a ser publicado deve ser acompanhado de folha de rosto onde serão indicados: título; autor ou autores; instituição em que trabalha cada autor e a atividade que exerce na mesma; titulação acadêmica de cada autor; e-mail para contato

8. O arquivo, digitado em espaço duplo, fonte 12, Arial, deve desenvolver-se na seguinte sequência: título do trabalho; nome(s) do(s) autor(es) – um abaixo do outro –; filiação científica do(s) autor(es) e nome da(s) instituição(ões) a que se acha(m) vinculado(s) abaixo do(s) nome(s) do(s) autor(es) – as informações de cada autor abaixo do nome respectivo –; resumo e três palavras-chave em português; texto do artigo; resumo e as mesmas três palavras-chave traduzidos para outra língua (inglês, francês ou espanhol); referências bibliográficas. Se houver agradecimento ou dedicatória, acrescentá-los antes do resumo em português.

9. As ilustrações, gráficos e tabelas (indicar a fonte quando não forem originais do trabalho), com as respectivas legendas e/ou numerações, deverão vir em folhas separadas, indicando-se, no texto, o lugar onde devem ser inseridas.

10. As notas de rodapé devem figurar ao pé da página em que seu número aparece. As notas de indicação bibliográfica, em pé de página, devem ser apresentadas observando-se a seguinte norma: sobrenome do autor em maiúsculas, título do livro ou texto consultado e número da página.

11. As referências deverão aparecer completas, ao final do artigo, em ordem alfabética de sobrenome de autor, atendendo-se às regras para indicação bibliográfica, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), cujos elementos básicos especificamos a seguir:

Citação de artigo de revista deverá conter: autor(es) do artigo, título do artigo, título da revista grifado, local da publicação, número do volume, número do fascículo, páginas inicial e final do artigo citado, mês e ano da publicação;

Citação de capítulo de livro deverá conter: autor(es), título do capítulo, organizador(es) da coletânea, título do livro grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, página inicial e final do capítulo.

Citação de livro deverá conter: autor(es), título grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, número total de páginas.

12. As páginas deverão ser numeradas na margem superior direita.

13. O material deverá vir devidamente revisado pelo autor. A Comissão Editorial reserva-se o direito de fazer nova revisão e de fazer as necessárias alterações.

14. Os autores serão informados sobre a publicação ou não de seus artigos, desde que forneçam endereço eletrônico. A Comissão Editorial não se responsabilizará pela comunicação dessa informação aos autores que tiverem as mensagens eletrônicas a eles endereçadas devolvidas pelos provedores por razões alheias à própria Comissão. Não serão emitidos nem remetidos aos autores pareceres escritos sobre artigos não aceitos.

15. O autor que tiver seu artigo aceito receberá um certificado de publicação.

Notícias

 

CHAMADA DE PUBLICAÇÃO

 
Prezados Colegas, Noticiamos a chamada de artigos para compor o DOSSIE: MÚSICA, LINGUAGEM E SOCIEDADE:O prazo para envio de textos para o terceiro  dossiê é até 31 de Maio de 2016. Durante e após esse período a Revista receberá textos livres em fluxo contínuo nas seguintes seções: artigos, transcrições documentais comentadas, resenhas e entrevistas. O periódico publica edições semestrais e recebe materiais em fluxo contínuo. Peço, por gentileza, que divulguem esta chamada de trabalhos. Cordialmente. Rangel Cerceau Netto Editor Responsável da E-hum  
Publicado: 2016-04-07 Mais...
 

FATOR DE IMPACTO UNIVERSAL

 
 
Publicado: 2015-04-28 Mais...
 
Outras notícias...

v. 8, n. 2 (2015): E-HUM - Dossiê: As fontes para a História da África


Capa da revista