A ATUAÇÃO DA CENSURA NAS LETRAS DAS CANÇÕES DE CHICO BUARQUE DURANTE O AI 5. (Dossiê: Música, Linguagem e Sociedade)

Ariana Alves de Castro

Resumo


Resumo: A ditadura civil militar instaurada em março de 1964 no Brasil foi marcada por grande turbulência, período que, os militares, sob a justificativa do combate a uma guerra interna, criaram um grande aparato repressivo que abrangeu todos os setores da sociedade. A prática de censura nos produtos culturais, tais como, peças de teatro, músicas, cinemas e novelas foram constantes, com a intenção de vetar conteúdos subversivos à moral e aos bons costumes de uma sociedade conservadora, principalmente a partir do Ato Institucional nº 5, em 1968.Um dos artistas que ascendeu neste período e que foi duramente perseguido pelos militares, Chico Buarque de Holanda, teve diversas de suas composições vetadas pelos censores, sob justificativas variadas, o que demonstra a não existência de uma metodologia unânime entre os censores.

Palavras chave: Chico Buarque; censura; ditadura civil-militar.

 

Abstract: The civil military dictatorship estabilished in March of 1964 in Brazil, was marked by a great turbulence, a time that, the military, with a justification of a internal war and combat, they created a great repressive device that covered all the sectors of the society.The censorship’s practice in the cultural products, such as theatrical performances, musics, movies and novels were constant, with the intention to interpose subversives contents to the moral and the good behavior of an conservative society, specially after the institucional act nº 5 in 1968. One of the artists who ascended in this period and was severely persecuted by the military, Chico Buarque de Holanda, had a lot of his compositions vetoed by the censors, under various justifications, wich demonstrates the non-existence of unanimity among the censors.

 

Keywords: Chico Buarque; censorship; civil-military dictatorship.

Recebido em: 04/07/2016  – Aceito em 07/08/2016


Palavras-chave


Letras de Música; Chico Buarque: Ditadura Militar; Censura

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. São Paulo: Schwarcz, 2008.

ARCANJO, Loque. Os sons de uma nação imaginada: As identidades musicais de Heitor Villa- Lobos. Belo Horizonte, 2013. Dissertação (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais.

CARVALHO, Gilberto de. Chico Buarque: análise poético musical. 3º edição. Rio de Janeiro: Codecri, 1984.

CERTEAU, Michel. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O governo João Goulart e o golpe de 1964: memória, história e historiografia. 2009. Disponível em < www.scielo.br >. Acesso em 21 de janeiro de 2015.

FERREIRA, Gustavo Alves Alonso. Quando a versão é mais interessante do que o fato: a “construção” do mito Chico Buarque. In. REIS, D. A, ROLLAND, D. Intelectuais e modernidades. 1.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.161-194.

FERREIRA, J., DELGADO,L.A.N. O Brasil republicano. 1ª edição, v.3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar .2ª. ed. Rio de Janeiro, Ed. Record, 2012.

HOEVER, Rejane Carolina. René Dreifuss e o golpe de 1964: sobre teorias e “conspiracionismos”. Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh- Rio: Saberes e práticas cientificas. 2014.

HOMEM, Wagner. História de Canções: Chico Buarque. 1º edição. São Paulo: Leya, 2009.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: PUC/RIO, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Uma História dos Conceitos: Problemas Teóricos e Práticos. Revista Estudos Históricos, vol. 5: Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1992.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do regime militar brasileiro. 1ª edição. Rio de Janeiro: Contexto, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. A história depois do papel. In: PINSKY, Carla. Fontes históricas. 2. Ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 235 – 289.

NAPOLITANO, Marcos. A música popular brasileira (MPB) dos anos 70: resistência política e consumo cultural. 2002. Disponível em < www.iaspmal.net >. Acesso em: 21 de janeiro de 2015.

NAPOLITANO, Marcos. O golpe de 1964 e o regime militar brasileiro: apontamentos para uma revisão historiográfica. 1º edição. Rio de Janeiro, 2010.

PINTO, Fabiane Batista. O Brasil de Chico Buarque: Nação, memória e povo. Fortaleza, 2007. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará.

REIS, Daniel Aarão Reis. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. 1º edição. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

REIS, D. A., RIDENTI, M., MOTTA, R.P.S. (orgs) A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. 1ª edição. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

REIS, Daniel Aarão. (org) Modernização, ditadura e democracia: 1964 – 2010. 1ª edição. Rio de Janeiro: Objetiva,2014.

REMÓND. R. (org) Por uma história política. 2º edição. Rio de Janeiro: FGV, 2003 SEVERIANO, Jairo. Uma nova história da música popular brasileira – Das origens à modernidade. 2º edição. São Paulo: 34, 2009.

STARLING, Heloísa Maria Murgel (org.) Decantando a república: inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. São Paulo: Nova Fronteira e Fundação Perseu Abramo, 3 vol., 2004.

TELLES, Tereza. Chico Buarque na Sala de Aula: Leitura, interpretação e produção de textos. 2º edição. Petrópolis:Vozes, 2010.

REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS

< http://portal.jobim.org/>

REFERÊNCIAS DISCOGRÁFICAS

Chico Buarque de Hollanda, vol. 2, 1967.

Chico Buarque de Hollanda, vol. 3, 1968.

Chico Buarque de Hollanda, vol. 4, 1970.

Construção, 1970.

Quando o carnaval chegar, 1972.

Chico Canta, 1973.

Sinal Fechado, 1974.

Meus caros amigos, 1976.

Gota dagua, 1977.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários
 |  Incluir comentário

Direitos autorais 2016 Ariana Alves de Castro

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.