A SAGA DA ATIVIDADE SINFÔNICA EM BELO HORIZONTE. (Dossiê: Música, Linguagem e Sociedade)

Gustavo Aníbal Nápoli Villalba

Resumo


RESUMO

Este artigo representa uma síntese do primeiro capítulo de minha tese de doutorado em História Social da Cultura defendida na Universidade Federal de Minas Gerais. defendida na Universidade Federal de Minas Gerais, tendo como objetivo analisar historicamente as origens e consolidação da atividade sinfônica em Belo Horizonte e seus desdobramentos em termos de gestão. A rigor, pretende-se constatar que, junto à visão de modernidade que se denotava com a criação da nova capital e o advento de uma época auspiciosa, a incorporação da atividade sinfônica à cultura mineira foi um modelo entendido pela intelectualidade brasileira como sinônimo de sofisticação e progresso, condizente com a melhoria da cultura no Estado.

Palavras-chave: Orquestra Sinfônica, Modernidade, Belo Horizonte, Políticas públicas para a Cultura.


ABSTRACT :This article represents a synthesis of the first chapter of my doctoral thesis in Social History of Culture defended at the Federal University of Minas Gerais, aiming to analyze historically the origins and consolidation of symphonic activity in Belo Horizonte and its consequences in terms of management. In fact, we intend to see that, with the modern view that is denoted with the creation of new capital and the advent of an auspicious time, the incorporation of symphonic activity to the mining culture was a model understood by Brazilian intellectuals as synonymous of sophistication and progress, consistent with the improvement of culture in the state.

Keywords: symphony orchestra, modernity, Belo Horizonte, public policies for culture.

Recebido em: 03/07/2016  – Aceito em 30/07/2016


Palavras-chave


Orquestra Sinfônica, Modernidade, Belo Horizonte, Políticas públicas para a Cultura.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. Histórias musicais da Primeira República. Uberlândia: ArtCultura, jan./jun., 2011, v.13, n.22, pp.71-83.

ADORNO, T. W. A Indústria Cultural, Trad. G. Cohn, In: Col. Sociologia, São Paulo: Ática, 1994.

ALMEIDA, R. O lazer na realidade sócio-cultural da capital mineira (1894-1915). Belo Horizonte: FAFICH/UFMG, 1990. (Monografia de Bacharelado, mimeo).

AULER, G. Os bolsistas do Imperador. Petrópolis: Tribuna de Petrópolis, 1956.

ANDRADE, M. de. Ensaio Sobre a Música Brasileira. São Paulo: Martins Editora, 1972, p.19.

AZEVEDO, L. H. C. de. 150 anos de música no Brasil. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1956.

BAHIA, C. L. M. O edifício: fato cultural da arquitetura modernista de Belo Horizonte. Dissertação de Mestrado. Escola de Arquitetura e Urbanismo da UFMG, out./2001.

BARMAN, R. J. Citizen Emperor: Pedro II and the Making of Brazil, 1825–1891.Stanford: Stanford University Press, 1999.

BARRETO, A. Bello Horizonte, memória histórica e descritiva-História média. Belo Horizonte: Rex, 1936.

BATISTA, N. G. A banda de música, alma da comunidade. Ouro Preto: IAC/UFOP-Prefeitura de Ouro Preto, 1982, 154 p. Mimeo il.

BERMAN, M. Tudo que é solido desmancha no ar: a aventura da modernidade. SP: Companhia das Letras, 1982.

BORGES, M. Roteiro sentimental da PBH. In: Belo Horizonte, a cidade revelada. Belo Horizonte: Fundação Emílio Odebrecht, 1998, pp.155-159.

BUARQUE, C. A Revolução nas Prioridades: da modernidade técnica à modernidade ética. São Paulo: PAZ E TERRA, 1994.

CRUZ, A. M. L. da; VARGAS, J. D. Pesquisa histórica e elaboração: memória musical de Belo Horizonte, Minas Gerais. Belo Horizonte: Rona, Ed. 1997, p.390.

CRUZ, A. M. L. da; VARGAS, J. D. A Vida Musical nos Salões de Belo Horizonte (1897-1907). Revista Análise & Conjuntura. Belo Horizonte, Centro de Estudos Culturais da Fundação João Pinheiro, vol.4, n.1 janeiro/abril 1989.

DIAS, F. M. Traços históricos e discriptivos de Bello Horizonte. Belo Horizonte: Tipografia do Jornal Bello Horizonte, 1897.

ELIAS, N. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

ELIAS, N. O processo civilizador: Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994. Vol. l.

_____________. O processo civilizador: Formação do Estado e Civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993. Vol. II.

FÓSCOLO, A. A capital. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1979.

FREIRE, S. Do conservatório à escola: 80 anos de criação musical em Belo Horizonte. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

HEITOR, L. 150 anos de música no Brasil (1800-1950). Rio de Janeiro, J. Olympio, 1956.

KIEFER, B. História da Música Brasileira: dos primórdios ao início do século XX. Porto Alegre: Editora Movimento, 1982.

KOSELLECK, R. “Espaço de experiência” e “Horizonte de expectativa”: duas categorias históricas. In: KOSELLECK, R. Futuro Passado. Rio de Janeiro: Ed. PUC Rio/Contratempo, 2006.

LANGE, F.C. La música en Minas Gerais. Rio de Janeiro, abr. 1946.

MENCARELLI, F. A.; ALVARENGA, A. L. de; MALETTA, E. C.; ROCHA, M. A. Corpos Artísticos do Palácio das Artes: Trajetória e Movimentos. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais, Fundação Clóvis Salgado, 2006. 252 p.

MOURÃO, P. K. C. História de Belo Horizonte de 1897 a 1930. Belo Horizonte, Imprensa Oficial, 1970.

MOURÃO, R. A ficção modernista de Minas. In: ÁVILA, Affonso (Org.). O modernismo. São Paulo: Perspectiva, 1975.

NAPOLITANO, M. História & música - história cultural da música popular. 3ª. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

NAVA, P. Beira-mar. Rio de Janeiro: Editora José Olympio. 1978.

OLIVEIRA, M. L. B. G. F. de. Sérgio Magnani: sua influência no meio musical de Belo Horizonte. Dissertaçãode Mestrado. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

PICHONERI, D. F. M. Músicos de orquestra: um estudo sobre educação e trabalho no campo das artes. Dissertação de Mestrado Campinas: UNICAMP, 2006.

PISANI, C. Nos Salões de Ouro Preto e Belo Horizonte (1891-1946). A Formação da Cultura Dançante em Minas. Belo Horizonte: UFMG. Projeto de Pesquisa. Programa de Mestrado em Lazer – EEFFTO/UFMG, 2007.

PLAMBEL - Belo Horizonte. O processo de desenvolvimento de Belo Horizonte: 1897-1970. Belo Horizonte, 1979.

PLAMBEL – Planejamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte. A estrutura urbana da RMBH: o processo de formação do espaço urbano. Belo Horizonte, 1986. Vol.1.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE, SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA. Metrópole: a Trajetória de um Espaço Cultural. Belo Horizonte, 1993.

REIS, S. L. de F. – Escola de Música da UFMG: um estudo histórico (1925 – 1970). Belo Horizonte: Ed. Luzazul Cultural: Ed. Santa Edwiges, 1993. 187 p. il.

REVISTA ACAIACA. Revista de cultura. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado

de Minas Gerais, 1950. 105 p.

REVISTA COMEMORATIVA DOS 100 ANOS DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS. Belo Horizonte: Associação dos Amigos do Hospital Mário Pena, 1997. 38 p.

RODRIGUES, C. (Dir.) História de Belo horizonte. Belo Horizonte: CR Editora, 1981. 80 p.

SCHWARCZ, L. M. As barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. 2nd ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SEGNINI, L. Acordes dissonantes: formação e trabalho em orquestras. 2005, (No prelo).

SILVA, L. R. da. Doce dossiê de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Gráfica Editora Cedablio, 1991.

SILVA, R. H. A. da. A cidade de Minas. Belo Horizonte: Departamento de Ciência Política/UFMG, 1991. (Dissertação de Mestrado, mimeo.)

SIMÕES, J. da R. Ser músico e viver de música no Brasil: um estudo da trajetória do Centro Musical Porto-Alegrense (1920-1933). Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: PUC, 2011.

SOUTHEY, R. História do Brasil. Belo Horizonte: São Paulo: Edusp, 1981, p.435.

VALE, F. Músicos mineiros: Edição comemorativa do Centenário de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1948. 27p.

VARGAS, J. D. Memória musical de Belo Horizonte. Fundação João Pinheiro/Funarte. Belo Horizonte: 1987. 39 p.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário

Direitos autorais 2016 Gustavo Aníbal Nápoli Villalba

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.