ACERVOS EM MARFIM EM MINAS GERAIS: DOCUMENTOS, TRÂNSITOS E MATERIALIDADE. (Dossiê:As fontes para a História da África)

Yacy-Ara Froner, Eduardo França Paiva, Vanicleia Silva Santos

Resumo


Resumo: A partir da revisão historiográfica e de duas bases documentais – os inventários post-mortem e os acervos de museus e igrejas de Minas Gerais – apresentaremos uma análise preliminar das pesquisas realizadas no primeiro ano do projeto “A circulação de marfim entre Portugal, Guiné, Angola e Minas (1700-1800)”. O objetivo é analisar as formas sociais de circulação dos marfins em Minas Gerais e seus usos simbólicos, no século XVIII.

 Palavras- chave: marfim; cultura material; trânsito; Minas Gerais

Abstract: From the historiographical review, and two types of archival sources: wills and collections from museums and churches in Minas Gerais we present a preliminary analysis of research conducted in the first year of the project entitled "The movement of Ivory between Portugal, Guinea, Angola and Minas Gerais (1700-1800) ". Our goal is to analyze the social forms of movement of ivory in Minas Gerais, and their symbolic use in the eighteenth century.

Keywords: ivory, material culture, trade, Minas Gerais

Recebido em: 23/12/2015  – Aceito em 04/04/2016


Palavras-chave


História da África, História do Marfim, cultura material, trânsito cultural

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

AFONSO, Luís U. & HORTA, José da S. Olifantes afro-portugueses com cenas de caça/C. 1490- C.1540. ARTIS – Revista de História da Arte e Ciências do Patrimônio. Número 01, 2013. Disponível em: . Acesso em 17/07/2015, às 06h35min.

ALMEIDA, Carla M. Carvalho de. Homens ricos, homens bons: produção e hierarquização social em Minas Colonial: 1750-1822.

FERREIRA, Reinaldo. O marfim e a imaginária. Arte do marfim: do sagrado e da história na Coleção Souza Lima do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: CCBB, 1993.

LEWKOWICZ, Ida. “Herança e relações familiares: os pretos forros nas Minas Gerais do século XVIII”. Revista Brasileira de História. V. 9, nº17, set.88/fev.89, p. 101-114;

LÚZIO, Jorge. As redes afro-asiáticas e suas interações culturais com os reinos ibéricos: marfins e mercadorias orientais no Brasil e no México - século XVIII. Disponível em Disponível em: http://www.academia.edu/6348799/As_redes_afro-asi%C3%A1ticas_e_suas_intera%C3%A7%C3%B5es_culturais_com_os_reinos_ib%C3%A9ricos_marfins_e_mercadorias_orientais_no_Brasil_e_no_M%C3%A9xico_s%C3%A9culo_XVIII . Acesso em 18/02/2015, às 15h: 58 min.

LÚZIO, Jorge. Sagrado Marfim. O Império português na Índia e as relações intracoloniais Bahia e Goa, século XVII: iconografias, interfaces e circulações. Dissertação de mestrado em História Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC-SP, 2011.

MAIA, Pedro M. O Museu de Arte-Sacra. Universidade Federal da Bahia. São Paulo: Banco Safra, 1987.

MÓL, Cláudia Cristina. “Entre sedas e baetas: o vestuário das mulheres alforriadas em Vila Rica”. Varia História, nº32, julho, 2004.

MÓL, Claudia Cristina. Mulheres forras: cotidiano e cultura material em Vila Rica (1750-1800). Dissertação de Mestrado, FAFICH/UFMG, Belo Horizonte, 2002.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia – 1716-1789. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

PEREIRA, Ana Luiza de C. Viver nos trópicos com bens do Império: a circulação de pessoas e objectos no Império Português. Disponível em: . Acesso em 19/02/2016, às 14h:23 min.

SANTOS, Lucila M. A sagração do Marfim. Coleção do Museu Histórico Nacional-IPHAN/RJ. Catálogo da Exposição na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo, 2002.

SERRÃO, Vítor. As artes decorativas na colecção palaciana do 1º conde de Basto, D. Fernando de Castro em Évora no tempo dos Filipes. Artis [s2], n.2 - 2014, p.8-21.

Arquivo do Museu do Ouro/Casa Borba Gato, Sabará-MG; Casa Borba Gato-CBG Cartório do Primeiro Ofício-CPO Testamentos-TEST, códice 02, f. 48-52v – Testamento do capitão-mor João Soares de Miranda. Sabará, 10/08/1738; IBRAM BG CPO-TEST, códice 08, f. 94v-101v – Testamento de Maria de Freytas. “Tapanhumacanga”, 06/08/1740; IBRAM Museu Regional de São João del Rei-MR Inventários-INV, caixa 52 – Inventário post-mortem de Anna Dias de Castilho. São João del Rei, 08/04/1743; IBRAM MR INV, caixa 85TEST, f. 7-10v – Inventário post-mortem do padre Domingos Nunes Ferreyra. São João del Rei, 1/11/1784; IBRAM MR INV, caixa 333 TEST, f. 21-29 – Inventário post-mortem de Bento Pinto de Magalhains. São João del Rei, 19/04/1766; IBRAM MR INV, caixa 30, f. 1-11v – Inventário post-mortem de João da Fonte Barros. Arraial da Borda do Campo, 30/05/1763; IBRAM MR INV, caixa 29, f. 1-5 – Inventário post-mortem de Felipe Franco Madureyra de Barbuda. Vila de São José del Rei, 13/02/1764; IBRAM MR INV, caixa 67, f. 1-7v – Inventário post-mortem de Baptista Pereira da Costa. Freguesia de Nossa Senhora da Conceição dos Prados, 10/09/1764.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário

Direitos autorais 2016 Yacy-Ara Froner, Eduardo França Paiva, Vanicleia Silva Santos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.