AS LUZES SE ACENDEM EM ÁFRICA: VIAGENS FILOSÓFICAS DE UM NATURALISTA LUSO-BRASILEIRO EM ANGOLA 1783-1808. (Dossiê:As fontes para a História da África)

Márcio Mota Pereira

Resumo


Resumo: O artigo em questão pretende elucidar as ações de exploração e de pesquisas filosóficas desenvolvidas pelo naturalista luso-brasileiro Joaquim José da Silva, em Angola. Pretende-se também, enquanto objetivo, trazer suas viagens à luz não apenas do desenvolvimento das ciências naturais nos territórios ultramarinos lusos, mas verificar como aquele profissional foi aproveitado em África no intuito de expandir e consolidar os conhecimentos geográficos dos sertões de Angoladaquela colônia.
Palavras-chave: Joaquim José da Silva – Viagens filosóficas – Angola.

Abstract: This article shows the exploration shares and philosophical research developed by the Luso-Brazilian naturalist Joaquim José da Silva in Angola, Africa. It is also intended as objective, bring your travels with regard not only the development of natural sciences in Portuguese overseas territories, but see how that professional was seized in Africa in order to expand and consolidate the geographical knowledge of the interiors of that colony.
Keywords: Joaquim José da Silva – Philosophical travels – Angola.

Recebido em: 18/04/2015  – Aceito em 10/06/2016


Palavras-chave


História da África; Joaquim José da Silva; História de Angola

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ANAIS da Biblioteca Nacional. Estudantes brasileiros na Universidade de Coimbra. Vol. XLII, 1940, p. 154.

BRUZZO. Cristina. A participação dos museus de história natural na formação dos membros das expedições filosóficas portuguesas no século XVIII. In: Anais do XXII Simpósio Nacional de História. João Pessoa, 2003.

CALAFATE, P. A ideia de natureza no século XVIII em Portugal (1740-1800). Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1994.

CARVALHO, Flávio Rey de. Um Iluminismo português? A reforma da Universidade de Coimbra (1772). São Paulo: Annablume, 2008.

CORREIA, Patrícia Cardoso. Cronologia: Marquês de Pombal (1699-1782). Revista de Letras e Culturas Lusófonas, nº 15-16, Jan-jun 2003.

CRUZ, Lígia - Domingos Vandelli, alguns aspectos da sua actividade em Coimbra. Separata do Boletim do Arquivo da Universidade de Coimbra. 1976.

DOMINGUES, A. Viagens científicas e “elite do conhecimento”: polivalência e mobilidade ao serviço do Império colonial. Disponível em: Acesso em 16 de junho de 2013.

FURTADO, Júnia Ferreira. Oráculos da geografia iluminista: Dom Luís da Cunha e Jean-Baptiste Bourguignon D’Anville na construção da cartografia do Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

GONÇALVES, Patrícia Bertolini. Iluminismo e administração colonial: Angola vista por brasileiros no século XVIII. VI Jornada Setecentista. Curitiba, 2005.

GUEDES, Maria Estela. João da Silva Feijó: Viagem filosófica a Cabo Verde. In: Asclepio, vol. XLIX, 1, 1997.

LACERDA, José Maria de. Observações sobre a viagem da Costa d’Angola á costa de Moçambique, por Lacerda. In: Annaes Marítimos e Coloniaes, nº 5, 4ª Série, 1844, p. 187.

MOUTINHO, Lúcia Amorim. A produção iconográfica de Ângelo Donati no contexto ilustrado português. Monografia de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006.

NOTÍCIA sobre a compra e remessa do marfim de Angola, extrahida de Documentos Ojfíciaes. In: O Patriota – Jornal Literário, Político, Mercantil & Comercial do Rio de Janeiro. Número 3, março. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1813.

PATACA, Ermelinda Moutinho. A confecção de desenhos de peixes oceânicos das Viagens Philosophicas (1783) ao Pará e à Angola. História, Ciências, Saúde: Manguinhos. Vol. 10 (3): 979-91, set.-dez., 2003.

_____. Terra, água e ar nas viagens científicas portuguesas (1755-1808). Tese de Doutorado. Campinas, Unicamp, 2003.

PEREIRA, Magnus Roberto de Mello. Um jovem naturalista num ninho de cobras: a trajetória de João da Silva Feijó em Cabo Verde, em finais do século XVIII. História: Questões & Debates. Curitiba: Editora UFPR, n. 36, 2002.

PEREIRA, Teresa. Desenhos de África, Desígnios Coloniais, Desejos Suspensos: artes plásticas e colonialidade. Anais do 7.º Congresso Ibérico de Estudos Africanos. Lisboa, 2010.

RAMINELLI, Ronald. Ilustração e império colonial. História (São Paulo) v.31, n.2, p. 36-37, jul/dez 2012.

SILVA, Eunice R. Jorge da. A administração de Angola (século XVII). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1996.

SILVA. Joaquim José. Extracto da viagem, que fez ao sertão de Benguella no anno de 1785 por ordem do Governardor e Capitão General do Reino de Angola, o Bacharel Joaquim José da Silva, enviado á aquelle Reino como Naturalista, e depois Secretario do Governo. De Loanda para Benguella. In: O Patriota – Jornal Literário, Político, Mercantil & Comercial do Rio de Janeiro. Numero 2, fevereiro. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1813.

_____. Notícias sobre o Cabo Negro. In: O Patriota – Jornal Literário, Político, Mercantil & Comercial do Rio de Janeiro. Numero 6, junho. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1813.

SIMON, W. J. Scientific expeditions in the Portuguese Overseas Territories. 1783- 1808. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, 1983.

FONTES:

ARQUIVO Histórico do Museu Bocage. Carta de Joaquim José da Silva a Júlio Mattiazzi. Benguela, Angola, 10 de Setembro de 1783, Manuscrito. CN/D-6.

_____. Carta de Joaquim José da Silva a Júlio Mattiazzi. Benguela, Angola, 24 de maio de 1787, Manuscrito. CN/S-22.

ARQUIVO Histórico do Museu Paulista. Fundo José Bonifácio. Carta de Joaquim Velozo de Miranda ao Dr. Domingos Vandelli. Rio de Janeiro, 13 de Fevereiro de 1780. Manuscrito. I.1/I-2-1/276.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário

Direitos autorais 2016 Márcio Mota Pereira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.