Educação, gênero e consumo midiático juvenil representados na narrativa de Sex Education

Rafael José Bona, Vitor Paganelli, Hans Peder Behling

Resumo


O objetivo é analisar a narrativa da websérie britânica Sex education (2019, Netflix), a partir de valores de educação, de gênero e de consumo midiático. A metodologia adotada é de cunho descritivo, de abordagem qualitativa e utiliza a técnica de análise de conteúdo. O corpus selecionado é composto pelos três primeiros episódios da primeira temporada de Sex education. Como principal resultado se constata que as discussões sobre valores educacionais e morais foram construídas em antíteses, girando em torno de formalidade e informalidade, a maioria das questões sobre gênero são representadas sob uma perspectiva feminista; e os valores atribuídos ao consumo midiático juvenil estavam ligados a uma finalidade social. A partir das constatações percebeu-se que Sex education é um importante subsídio midiático para a educação sexual de adolescentes e jovens.


Palavras-chave


Sex education; educação; gênero; consumo midiático; websérie

Texto completo:

PDF

Referências


ADESSE, Leila et al. Aborto e estigma: uma análise da produção científica sobre a temática. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 12, p. 3819-3832, 2016.

BERTELLA, Gustavo Santetti. A era do streaming: uma análise da interação, produção, distribuição e consumo de conteúdo. 2016. 65 f. Monografia (Bacharel em Publicidade e Propaganda). Curso de Publicidade e Propaganda. Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, RS, 2016.

CAMPBELL, Colin. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

CARLÓN, Mario; FECHINE, Yvana (Org.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.

CASTELLANO, Mayka; MEIMARIDIS, Melina. Netflix, discursos de distinção e os novos modelos de produção televisiva. Contemporânea: Revista de Comunicação e Cultura, v. 14, n. 2, p. 193-209, 2016.

COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1980.

FELTRIN, Ricardo. Streaming já é o 2º maior ibope do país e só perde para Globo. Disponível em: https://www.uol.com.br/splash/noticias/ooops/2020/07/08/streaming-ja-e-o-2-maior-ibope-do-pais-e-so-perde-para-globo.htm. Acesso em: 21 dez. 2020.

FREITAS, Júlia Castro de Carvalho; MORAIS, Amanda Oliveira de. Cultura do estupro: considerações sobre violência sexual, feminismo e Análise do Comportamento. Acta comportamentalia: revista latina de análisis del comportamiento, v. 27, n. 1, p. 109-126, 2019.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ICT KIDS ONLINE BRASIL. Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil: TIC kids online Brasil 2017 [livro eletrônico]. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2019.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2ª ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KEHL, Maria Rita. O espetáculo como meio de subjetivação. Concinnitas, v. 1, n. 26, p. 86-96, 2015.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

MANCHINE, Isabela; JACINTO, Jéssica C.; DESIDÉRIO, Ricardo. A sexualidade silenciada no ambiente escolar e as contribuições da série Sex Education. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp. 3, p. 1780-1792, nov. 2020.

MATOS, Cristina Maria Martins de. Consumo de ficção seriada: novos modos de ver. In.: CONGRESSO INTERNACIONAL DE COMUNICAÇÃO E CONSUMO, 2018, Porto Alegre. Anais […] COMUNICON, p. 1-13, 2018.

NETFLIX. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2019.

NETFLIX. Disponível em: . Acesso em 21 dez. 2020.

NORTON, Isabela; FERREIRA, Soraya. Netflix, TV expandida e reconfiguração estética na série 3%. In.: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40., 2017, Curitiba. Anais […] INTERCOM, p. 1-14, 2017.

OKA, Camila de Moraes. Consumo de ficção seriada e o modelo Netflix no Brasil. Monografia de graduação (Cinema) - Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2017.

PARRY, Roger. A ascensão da mídia: a história dos meios de comunicação de Gilgamesh ao Google. Trad.: Cristiana Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

PRIEST, Susanna Hornig. Pesquisa de mídia: introdução. 2aed. Porto Alegre: Penso, 2011.

QUEIRÓS, Pollyanna de Siqueira et al. Concepções de pais de adolescentes escolares sobre a sexualidade de seus filhos. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 17, n. 2, p. 293-300, 2016.

REZENDE, Humberto de Campos; GOMIDE, João Victor Boechat. Maratonas de vídeo e a nova forma dominante de se consumir e produzir séries de televisão. Revista Lusófona de Estudos Culturais, v. 4, n. 1, p. 73-87, 2017.

SACCOMORI, Camila. Qualquer coisa a qualquer hora em qualquer lugar: as novas experiências de consumo de seriados via Netflix. Temática, v. 11, n. 4, p. 53-68, 2015.

SANTOS, Luis G. T.; SANTOS, Ana Laura C.; MIRANDA, Joseval R. Sex education: uma análise sobre a importância da mídia para a educação sexual. In.: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 7., 2020, Maceió, Anais [...] CONEDU, p. 1-14, 2020.

SCOLARI, Carlos A. This is the end? As intermináveis discussões sobre o fim da televisão. In.: CARLÓN, Mario; FECHINE, Yvana (Org.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, p. 34-53, 2014.

SOARES, Marcelle Pacheco. A mudança na narrativa das séries de TV: uma análise de Arrested Development na Netflix. In.: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40., 2017, Curitiba. Anais […] INTERCOM, p. 1-15, 2017.

SOUSA, Letícia de Mélo. Slut Shaming e Porn Revenge: vivências de mulheres jovens e as repercussões para a saúde mental. 74 f. Dissertação (Psicologia Social). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, 2017.

ZORDO, Silvia de. Representações e experiências sobre aborto legal e ilegal dos ginecologistas-obstetras trabalhando em dois hospitais maternidade de Salvador da Bahia. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, p. 1745-1754, 2012.




Direitos autorais 2022 Rafael José Bona, Vitor Paganelli, Hans Peder Behling

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

AVISO | e-COM

A chamada à próxima edição de e-Com há de ser aberta a partir de março de 2024, pois o sistema eletrônico da publicação será transferido a outras bases.

Assim que tudo se normalizar, divulgaremos as datas oficiais para novas submissões de artigos (resenhas, entrevistas etc.) à revista.

Desde já, muito obrigado!

Maurício Guilherme Silva Jr.

Editor da revista e-Com

 [mauricio.junior@prof.unibh.br]| https://revistas.unibh.br/ecom/index]

Normas da publicação


1. A revista e-Com (https://revistas.unibh.br/ecom/index) aceita artigos, resenhas e entrevistas para publicação. Todos os textos devem ser inéditos em sua especialidade: resultados de pesquisas; resenhas e recensões críticas de obras científicas recém-publicadas nas áreas de mídia, cultura, sociedade, novas tecnologias, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, semiótica etc. (Obs.: Não serão aceitos capítulos de dissertações ou teses em que essa condição possa ser constatada no texto.)

2. O material para publicação deverá ser encaminhado, por meio eletrônico, após cadastro do autor do endereço eletrônico da revista: https://revistas.unibh.br/ecom/index.

3. Todos os trabalhos deverão ser enviados, por meio do programa Microsoft Word for Windows, em fonte Times New Roman, corpo 12 e espaço 1,5.

4. De cada autor ou conjunto de autores, só será aceito, para publicação, um artigo por ano.

5. O(s) autor(es) deve(m) ser graduado(s), mestre(s) ou doutor(es). Não serão aceitos trabalhos de alunos sem a coautoria de seus respectivos orientadores.

6. Os trabalhos encaminhados devem ter de 10 a 20 páginas.

7. O material a ser publicado deve ser acompanhado de folha de rosto, com indicação de título; autor ou autores; instituição em que trabalha cada autor e atividade exercida na referida instituição; titulação acadêmica de cada autor; e-mail para contato.

8. Artigos e resenhas devem ser formatados em página A4, com espaçamento 1,5 e em fonte Times New Roman, 12. No caso de artigos, os textos devem ter de 10 a 20 páginas; no caso de resenhas, o limite são 5 páginas. Os artigos precisam conter:

a) Título (a expressar o conteúdo e a ideia geral do texto);

b) Resumo de até 10 linhas, em português;

c) Palavras-chave;

d) Nome do autor;

e) Em nota de rodapé, deve constar a titulação e a instituição da maior titulação do(s) autor(es), programa(s)/instituição(ões) ao(s)/à(s) qual(is) está(ão) vinculado(s) e e-mail.

f)  Pede-se, ainda, um abstract, em inglês, de até 10 linhas, para fins de indexação.

g) Também é preciso revelar se o texto já foi apresentado em congressos, simpósios, seminários etc.

h) As referências bibliográficas (Exemplo: SOBRENOME, Nome. Título do Livro. Cidade: editora, ano.) devem aparecer, em ordem alfabética, ao final do artigo.

9. Ilustrações, gráficos e tabelas (indicar a fonte quando não forem originais do trabalho), com as respectivas legendas e/ou numerações, deverão vir em folhas separadas, indicando-se, no texto, o lugar onde devem ser inseridos.

10. As notas de rodapé devem figurar ao pé da página em que seu número aparece. As notas de indicação bibliográfica, em pé de página, devem ser apresentadas observando-se a seguinte norma: sobrenome do autor em maiúsculas, título do livro ou texto consultado e número da página.

11. As referências deverão aparecer completas, ao final do artigo, em ordem alfabética de sobrenome de autor, atendendo-se às regras para indicação bibliográfica, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), cujos elementos básicos especificamos a seguir:

Citação de artigo de revista deverá conter: autor(es) do artigo, título do artigo, título da revista grifado, local da publicação, número do volume, número do fascículo, páginas inicial e final do artigo citado, mês e ano da publicação;

Citação de capítulo de livro deverá conter: autor(es), título do capítulo, organizador(es) da coletânea, título do livro grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, página inicial e final do capítulo.

Citação de livro deverá conter: autor(es), título grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, número total de páginas.

12. As páginas deverão ser numeradas na margem superior direita.

13. O material deverá vir devidamente revisado pelo autor. A Comissão Editorial terá direito de realizar nova revisão e alterações necessárias.

14. Os autores serão informados sobre a publicação ou não de seus artigos, desde que forneçam endereço eletrônico. A Comissão Editorial não se responsabilizará pela comunicação dessa informação aos autores que tiverem as mensagens eletrônicas a eles endereçadas devolvidas pelos provedores, por razões alheias à própria Comissão. Não serão emitidos, nem remetidos aos autores, pareceres escritos sobre artigos não aceitos.

 

ISSN: 1983-0890