ANÁLISE NUTRICIONAL DO ALMOÇO CONSUMIDO POR IDOSAS INSTITUCIONALIZADAS

Lucia Goulart da Costa, Maria Marta Amancio Amorim, Cristiane de Almeida Silva, Miriam Matias de Oliveira, Éric Liberato Gregório, Adriana Keller Coelho

Resumo


O envelhecimento implica alterações anatômicas e funcionais, repercutindo nas condições de saúde e nutrição do idoso. Esse estudo teve como objetivo avaliar a composição nutricional do almoço consumido em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos, de Belo Horizonte/MG, em dois períodos distintos. Durante sete dias consecutivos os alimentos utilizados nas preparações foram pesados obtendo-se o peso líquido dos ingredientes. Após a cocção e distribuição, as sobras foram mensuradas para apuração do consumo médio das preparações. Utilizaram-se as recomendações dos percentuais dos macronutrientes propostas pela Acceptable Macronutrient Distribution Ranges e para o ferro, sódio, vitamina A, C e fibra a Estimated Average Requeriment e Adequate Intake. No primeiro período P(1) o consumo médio da refeição servida foi de 499,57 g (valor energético de 489,11 kcal), e no segundo período P(2) foi superior (539,03 g) representando 639,47 kcal. O valor energético, de carboidrato e lipídeos foi adequado e maior no P(2), resultados estatisticamente significativos. O mesmo foi observado para proteínas e fibras. Os teores médios de ferro nas preparações nos dois períodos analisados foram o dobro da quantidade recomendada, já os de sódio apresentaram valores bem acima do adequado para uma refeição. O consumo de vitamina A foi adequado somente em P1 e de vitamina C extrapolou os valores de adequação nos dois períodos. É necessário realizar pequenas intervenções na alimentação consumida pelas residentes para otimizar a ingestão de vitaminas e sais minerais, visando a promoção de condições adequadas de saúde. 


Palavras-chave


Idosos;Alimentação: Adequação Nutricional

Texto completo:

PDF

Referências


BOUCHARD, C. Atividade física e obesidade. São Paulo: Manole, 2003. 469 p.

BRASIL. RDC/ANVISA nº. 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviço de Alimentação. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br. Acesso em: 25 abr. 2016.

BRASIL. RDC/ANVISA nº 283, de 26 de dezembro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para o Funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos. Disponível em: http://wwwd.portalsaude.gov.br. Acesso em: 15 mai. 2016.

CAMARANO, A. A, KANSO, S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 27, n. 1, p. 232-235, 2010.

CAMPOS, M. T. F. D. S., MONTEIRO, J. B. R., ORNELAS, A. P. R. D. C. Fatores que afetam o consumo alimentar e a nutrição do idoso. Revista de Nutrição, v. 13, n.3, p. 157-165, 2000.

CARVALHO, M. C., BARACAT, E. C. E., SGARBIERI, V. C.. Anemia ferropriva e anemia de doença crônica: distúrbios do metabolismo de ferro. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 13, n. 2, p. 54-63, 2006.

CARVALHO, E. N., SILVA, F. R., MELO, M. T. S. M, CARVALHO, C. M. R. G. Avaliação da qualidade nutricional das refeições servidas aos idosos em instituição asilar. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, v. 5, p. 119-136, 2003.

COLARES-BENTO et al. Níveis de ingestão de micronutrientes hematopoiéticos. Ocorrência de anemia em idosas brasileiras. Acta Médica Portuguesa, v. 22, p.553-558, 2009.

DOBNER, T., BLASI, T. C., KIRSTEN, V. R.. Perfil nutricional de idosos residentes em instituição geriátrica no interior do RS. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, v. 9, n. 1, 2013.

FERREIRA, M. T. O papel da atividade física na composição corporal de idosos. Revista de Atenção à Saúde, v. 1, n. 1, p. 43-52, 2010.

FREITAS, A. M, PHILIPPI, S. T., RIBEIRO, S. M. L., Listas de alimentos relacionadas ao consumo alimentar de um grupo de idosos: análises e perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 14, n. 1, p. 161-177, 2011.

GALESI, L.F., LORENZETTI, C., OLIVEIRA, M.R.M., FOGAÇA, K.C.P., MERHI, V.L. Perfil alimentar e nutricional de idosos residentes em moradias individuais numa instituição de longa permanência no leste do estado de São Paulo. Alimentos e Nutrição, v.19, n.3, p. 283-290, 2008.

HENRIQUES, G.S., COZZOLINO. Ferro. In: COZZOLINO, S.M.F. Biodisponibilidade de nutrientes. 2ª ed. Barueri, SP: Manole, 2007. p. 513

INSTITUTE OF MEDICINE. IOM. Food and Nutrition Board Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat Acids, Cholesterol, Protein and Amino Acids (2006). Washington, DC: The National Academics Press. Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em: 27 mai. 2016. .

INSTITUTE OF MEDICINE. IOM. Food and Nutrition Board Dietary Reference Intakes for Vitamin C (2000), Vitamin A (2001), Iron and sodium (2001). Disponível em: http://www.nap.edu. Acesso em: 27 mai. 2016.

MARCHINI, J. S., FERRIOLLI, E., MORIGUTI, J. C.. Suporte nutricional no paciente idoso: definição, diagnóstico, avaliação e intervenção. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 31, n. 1, p. 54-61, 1998.

MARQUES, A.P.D.O., ARRUDA, I.K.G.D., LEAL, M.C.C., SANTO, E, Envelhecimento, obesidade e consumo alimentar em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.10, n. 2, p. 231-242, 2007.

MARTINS, I. S. Recomendações de energia e nutrientes. In: DUTRA-DE-OLIVEIRA, J. E., MARCHINI, J. S.. Ciências nutricionais. São Paulo: Sarvier, p. 353-361, 1988.

MONTILLA, R. N. G., MARUCCI, M. F. N., ALDRIGHI, J. M. Avaliação do estado nutricional e do consumo alimentar de mulheres no climatério. Revista Associação Médica Brasileira, v. 49, n. 1, p. 91-5, 2003.

NEPA-UNICAMP. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação - Universidade Estadual de Campinas. (2014). Tabela brasileira de composição de alimentos. Disponível em: http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf . Acesso em: 12 Abr 2016.

PATEL, K.V., GURALNIK, J.M. Prognostic implications of anemia in older adults. Haematologica, v. 94, n. 1. p. 1-2, 2009.

POLLO, S.H.L., ASSIS, M. Instituições e longa permanência de idosos – ILPIS: desafios e alternativas no município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 11, n.1, p.29-43, 2008.

RODRIGUES-AMAYA, D. B., KIMURA, M., AMAYA-FARFAN, J. Fontes Brasileiras de Carotenoides: Tabela Brasileira de Composição de Carotenoides. Ministério do Meio Ambiente. DF: Brasília, 2008. 101 p.

SANTELLE, O., LEFÈVRE, A. M. C., CERVATO, A. M. Alimentação institucionalizada e suas representações sociais entre moradores de instituições de longa permanência para idosos em São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 12, p. 3061-5, 2007.

SANTOS, M. M.. Oferta de proteínas de alto valor biológico para idosos em instituições particulares de longa permanência localizadas no Distrito Federal. 2011. Centro Universitário de Brasília. Monografia. Disponível em: http://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/7220/1/20939400.pdf. Acesso em: 12 dez. 2016.

SBAN. Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Aplicações das recomendações nutricionais adaptadas à população brasileira. Ribeirão Preto: Legis Suma / SBAN, 1990. 153 p.

SOUSA, V. M. C., GUARIENTO, M. E.. Avaliação do idoso desnutrido. Revista Brasileira de Clinica Médica, v. 7, p. 46-9, 2009.

STEFANINI, M. L. R., COLLI, C., LERNER, B. R., LEI, D. L. M., CHAVES, S. P., PIETRO, M. S. D., SZARFARC, S. C. Anemia and malnutrition in children at public schools in Osasco, São Paulo, Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 11, n. 3, p. 439-447, 1995.

TRAMONTINO, V. S., NUÑEZ, J. M. C., TAKAHASHI, J. M. F. K., SANTOS-DAROZ, C. B. S., RIZZATI-BARBOSA, C. M. Nutrição para idosos. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, v. 21, n. 3, p. 258-267, 2009.




A abreviatura do periódico é e-Sci, o qual deve ser utilizado em bibliografias, notas de rodapé e para referências. ISSN: 1984-7688, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da e-Scientia, exceto quando identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.