CARACTERIZAÇÃO E DISCUSSÃO DE UM RELATO DE CASO DE FEBRE REUMÁTICA

Poliane Soares da Silva Vieira, Alexsandra Lúcia Pereira, Daniela Camargos Costa

Resumo


Resumo: A Febre Reumática (FR) é uma doença inflamatória autoimune, que ocorre como consequência de uma faringoamigdalite pela bactéria Streptococcus pyogenes. Apresenta altos índices de morbidade e mortalidade, sendo considerada um grave problema de saúde pública, particularmente nas áreas mais pobres. O presente trabalho teve por objetivo descrever um relato de caso de FR, comparando as manifestações clínicas com a literatura científica. Paciente S. S. S., sexo feminino, aos cinco anos de idade, apresentava repetidas faringoamigdalites e edema nas articulações. Os exames solicitados e seus respectivos resultados foram: proteína C reativa: (positivo - +++), velocidade de hemossedimentação (55 mm em 30 minutos, 100 mm em 60 minutos, 105 mm em 90 minutos), mucoproteína (8,3 mg%) e antiestreptolisina “O” (850 UI / mL). As manifestações clínicas da paciente, juntamente com os achados laboratoriais preencheram os critérios de Jones: um critério maior (artrite) e dois menores (febre e elevação dos reagentes de fase aguda), bem como a evidência estreptocócica prévia (ASLO aumentada). Sugere-se que a rapidez na confirmação do diagnóstico e a correta conduta farmacêutica realizada, incluindo a regularidade e assiduidade nos dias da administração da medicação da profilaxia secundária, tenham contribuído para a eficácia do tratamento.


Palavras-chave


Febre reumática. Streptococcus pyogenes. Artrite. Diagnóstico

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, F. J.B; FERREIRA-JÚNIOR, M.; SALES, M. M.; CRUZ-NETO, L. M.; FONSECA, L. A.M.; SUMITA, N. M.; DUARTE, N. J.C.; LICHTENSTEIN, A.; DUARTE, A. J.S. Proteína C reativa: aplicações clínicas e propostas para utilização racional. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 59, n. 1, p. 85-92, fev. 2013.

ALVES, V. de A. J. Febre reumática com enfoque em doença cardíaca reumática. Relato de um paciente acompanhado no Hospital Regional da Asa Sul – DF. 2007. 63 f. Dissertação (Especialista em Pediatria) - Secretaria de Estado do Governo do Distrito Federal, Hospital Regional da Asa Sul, 2007.

BARBOSA, P. J. B; MÜLLER, R. E; LATADO, A. L; ACHUTTI, A. C; RAMOS, A. I. O; WEKSLER, C. et al. Diretrizes Brasileiras para Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática da Sociedade Brasileira de Cardiologia, da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade Brasileira de Reumatologia. Arq. Bras. Cardiol. 2009; 93 (3 supl.4): 1-18.

BERTOLETTI, J. C. Profilaxia da Febre Reumática: Quando e como fazer. Rev. Sociedade de Cardiol. do Rio Grande do Sul. Ano XIII nº 01 Jan/Fev/Mar/Abr 2004.

BORGES, F.; BARBOSA, M. L. A.; BORGES, R. B. B.; PINHEIRO, O. C.; CARDOSO, C.; BASTOS, C.; ARAS, R. Características Clínicas Demográficas em 99 Episódios de Febre Reumática no Acre, Amazônia Brasileira. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v. 84, n. 2, p. 111-114, Fev. 2005.

CARVALHO, S. M. de. Avaliação do desfecho clínico da febre reumática durante duas décadas no Hospital das Clínicas de Botucatu. 2009. 163 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 2009.

CARVALHO, S. M. de; DALBEN, I.; CORRENTE, J. E.; MAGALHÃES, C. S. Apresentação e desfecho da febre reumática em uma série de casos. Rev. Bras. Reumatol., São Paulo , v. 52, n. 2, p. 241-246, abr. 2012 .

COLLARES, G. B.; VIDIGAL, P. G. Marcadores laboratoriais de fase aguda da inflamação. In: ERICHSEN, Elza Santiago; VIANA, Luciana de Gouvêa; FARIA, Rosa Malena Delbone de; SANTOS, Silvana Maria Eloi. Medicina Laboratorial para o Clínico. Belo Horizonte: Coopmed, 2009. Cap. 55, p. 681-691.

FELIX, M.; KUSCHNIR, F.; AOUN, N.; SZTAJNBOK, F.; CUNHA, A. Avaliação da sensibilização à penicilina G em adolescentes com febre reumática. Rev. Port. Imunoalergologia. Lisboa, v. 20, n. 4, out. 2012.

KISS, M. H. B.; GOLDENSTEIN-SCHAINBERG, C. Febre Reumática. In: YOSHINARI, Natalino Hajime; BONFÁ, Eloísa S. D. Oliveira. Reumatologia para o clínico. São Paulo: Roca, 2011. Cap. 174, p. 257-273.

KUMAR, G. P.; S., A.; MULYE, S. Atypical recurrence of rheumatic chorea. Int. J. Res. Med. Sci., v. 3, n. 5, p. 1272-1273, mai. 2015.

LANNA, C. C. D.; QUINTERO, M. V. P. de. Febre Reumática. In: CARVALHO, Marco Antonio P.; LANNA, Cristina Costa Duarte; BERTOLO, Manoel Barros; FERREIRA, Gilda Aparecida. Reumatologia: Diagnóstico e Tratamento. São Paulo: AC Farmacêutica, 2014. Cap. 31, p. 507-521.

MERLINI, A. B.; STOCCO, C. S.; SCHAFRANSKI, M. D.; ARRUDA, P.; BAIL, L.; BORGES, C. L.; DORNELLES, C. F. Prevalence of Group A Beta-Hemolytic Streptococcus Oropharyngeal Colonization in Children and Therapeutic Regimen Based on Antistreptolysin Levels: Data from a City From Southern Brazil. The Open Rheumatology Journal, v. 8, p. 13-17, 2014.

MILLER, Otto. Laboratório para o clínico. 6. ed. Rio de Janeiro - São Paulo: Atheneu, 1988.

MOTA, C. de C. C.; VASCONCELLOS, L. de S.; SANTOS, S. M. E. Investigação laboratorial do paciente com febre reumática aguda. In: ERICHSEN, Elza Santiago; VIANA, Luciana de Gouvêa; FARIA, Rosa Malena Delbone de; SANTOS, Silvana Maria Eloi. Medicina Laboratorial para o Clínico. Belo Horizonte: Coopmed, 2009. Cap. 55, p. 681-691.

PEIXOTO, A. ; LINHARES, L.; SCHERR, P.; XAVIER, R.; SIQUEIRA, S. L.; PACHECO, T. J.; VENTURINELLI, G. Febre reumática: revisão sistemática. Rev. Bras. Clin. Med. São Paulo, v. 9, n. 3, p. 234-238, mai.-jun. 2011.

PRESTES-CARNEIRO, L. E.; ACENCIO, E. dos S. L.; POMPEI, A. C. de S. do C. Determinação de anti-estreptolisina "O" e proteína C reativa entre escolares do município de Laranjal, PR. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 38, n. 1, p. 67-68, fev. 2005 .

RODRIGUES, I. P.; QUEIROZ, M. V. O.; CHAVES, E. M. C. Características da febre reumática em crianças e adolescentes: convivendo com a doença. Rev. Rene. Fortaleza, v. 11, n. 3, p. 36-46, jul.-set. 2010.

SBP – Sociedade Brasileira de Pediatria. II Consenso sobre prevenção da febre reumática da Sociedade Brasileira de Pediatria. Correios da SBP, 2004; 10:9-14. Disponível em https://www.sbp.com.br/img/correios/sbp_ano10_n3.pdf. Acesso em 06/01/2016.

SBR. Sociedade Brasileira de Reumatologia. Febre reumática: Cartilha para pacientes. 2011.

SPINA, G. S. Doença reumática: negligenciada, mas ainda presente e mortal. Rev. Med. Brasil, v. 87, n. 2, p. 128-141, jun. 2008.

TORRES, R. P. de A. Estudo de 500 casos de febre reumática na cidade de Curitiba: aspectos clínicos e epidemiológicos. 1996. 94 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, 1996.

WINN JÚNIOR, W.; ALLEN, S.; JANDA, W.; KONEMAN, E.; PROCOP, G.; SCHRECKENBERGER, P.; WOODS, G. Koneman, Diagnóstico Microbiológico: texto e atlas colorido. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.




A abreviatura do periódico é e-Sci, o qual deve ser utilizado em bibliografias, notas de rodapé e para referências. ISSN: 1984-7688, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da e-Scientia, exceto quando identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.