ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA NO PERÍODO DE 2012 A 2015 DO RESERVATÓRIO DA UHE EMBORCAÇÃO, MINAS GERAIS

Mariana Assunção, Débora Viana, Elizabeth Ibrahim

Resumo


Dentre as finalidades do aproveitamento da água, a geração de energia por meio de usinas hidrelétricas pode ser destacada como uma das mais relevantes e impactantes. Contudo, a implantação de um barramento implica em diversas alterações nos parâmetros físico-químicos e biológicos refletindo na qualidade da água. Considerando-se a região do Triângulo Mineiro como a de maior potencial hidráulico natural do estado, o presente estudo buscou analisar a evolução da qualidade da água na Usina Hidrelétrica Emborcação em Minas Gerais no período entre 2012 e 2015. Os dados de monitoramento limnológico disponibilizados no Sistema de Informação da Qualidade da Água dos Reservatórios da CEMIG – SISÁGUA foram comparados com os limites previstos na legislação vigente para cada parâmetro. Os resultados obtidos foram então relacionados com as formas de uso e ocupação do solo no entorno da bacia do Rio Paranaíba. Ademais, foram realizados os cálculos dos Índices de Estado Trófico e Índice de Qualidade das Águas. As análises mostraram que as desconformidades foram mais recorrentes no ano de 2012, que foi também o período de maior pluviosidade na região. Além da influência sazonal, foi verificado que o uso e ocupação do entorno da bacia do Rio Paranaíba tem grande influência na qualidade das águas do reservatório, bem como a composição geoquímica dos solos e rochas da região estudada. Dessa forma, concluiu-se que o monitoramento dos parâmetros de referência da qualidade das águas é bastante relevante e deve ser realizado periodicamente no intuito de compreender e fiscalizar os processos de modificação do ambiente no entorno da bacia.


Texto completo:

PDF

Referências


ANA – Agência Nacional das Águas. Disponível em: http://arquivos.ana.gov.br/planejamento/planos/PRH-Paranaiba-2013_ResumoExecutivo.pdf, Acesso em 14 de março de 2016.

AGOSTINHO, A., THOMAZ, S., GOMES, L. Conservação da biodiversidade em águas continentais do Brasil. Megadiversidade, v.1, n.1., 70:78. 2005.

BARBOSA F. A. R. Programa brasileiro para conservação e manejo de águas interi-ores: síntese das discussões. Acta Limnologica Brasiliensia, Botucatu, v.5, n.1, 211:222. 1994.

BRANDT MEIO AMBIENTE – Relatório do Monitoramento da Qualidade das Águas da UHE Emborcação, 2014.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA n.º 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos d’água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Publicação: Diário Oficial da União, 18 de março de 2005.

CEMIG – Companhia Energética de Minas Gerais. Livro Usinas da Cemig: A história da eletricidade em Minas e no Brasil. Paulo Brandt de Barros Cachapuz. Rio de Janeiro, 2006.

CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Determinação de Fitoplâncton de Água Doce - Método qualitativo e quantitativo. NT. 06: L5. 303. São Paulo: CETESB, 2005.

CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Significado Ambiental e Sanitário das Variáveis de Qualidade das Águas e dos Sedimentos e Metodologias Analíticas e de Amostragem. Apêndice A. São Paulo: - CETESB, 2009.

ESTEVES, F.A. Fundamentos de Limnologia. Editora Interciência Ltda., 3ª edição: Rio de Janeiro, 2011.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Disponível em: Acesso em 13 de março de 2016.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Indicadores de Qualidade. Disponível em: http://comites.igam.mg.gov.br/boletim-qualidade-das-aguas/1650-indicadores-de-qualidade Acesso em 15 de março de 2016.

INMET - Instituto Nacional de Meteorologia - disponível em http://www.inmet.gov.br/portal/arq/upload/BOLETIM- AGRO_MENSAL_201210.pdf

MINAS GERAIS, COPAM - Conselho Estadual de Políticas Ambientais/Conselho Estadual de Recursos Hídricos - Deliberação Normativa Conjunta Nº 1, 2008.

NASCIMENTO, C. W. A., FONTES, R. I. F., NEVES, J. C. I. Dessorção, Extração e Fracionamento de Manganês em Latossolos. Revista Bras. Ci. Solo, 26:589-597, 2002.

NEWMAN, E. Phosphorus inputs to terrestrial ecosystems. J. Ecol 83:713-726, 1995.

PARK, S.; CHOI, J.; WANG, S. Design of a water quality monitoring network in a large river system using the genetic algorithm. Ecological Modeling, v.199, n.3, p. 359-287, 2006.

PIVELI, R.P.; KATO, M.T. Qualidade das águas e poluição: aspectos físico-químicos. São Paulo: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2005. 285 p.

RAMOS, M. V. V. Caracterização dos solos, da estrutura fitossociológica e do estado nutricional da vegetação de Veredas em diferentes superfícies geomorfológicas no Triângulo Mineiro. Brasília: UnB, 2004. 128p. (Tese – Doutorado em Ecologia).

SEMAD – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Outorga. Relação deferidos, indeferidos, cancelados e outros. Disponível em < http://www.meioambiente.mg.gov.br/outorga/relacao-deferidos-indeferidos-cancelados-e-outros> Acesso em 25 de maio de 2016.

SISÁGUA – Sistema de Informação de Qualidade da Águas dos Reservatórios da Cemig. Disponível em Acesso em 08 de abril de 2016.

TUNDISI, J, HINO, K. Atlas de algas da represa do Broa. São Carlos. Ed. Gráfica da Universidade de São Carlos. 1977.

TUNDISI, J.G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos: RIMA, IIE, 2003.

TUNDISI, Takako Matsumura. Cladoceros do Brasil. Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Ciências Biológicas,Laboratório de Limnologia. São Carlos, São Paulo, pag. 1 - 65. 1983

TUNDISI, J. G. Represas Artificiais: Perspectivas para o Controle e Manejo da Qualidade da Água para Usos Múltiplos. RBE. v. 1, n.1, p.37-47, 1986.

WETZEL, R. G. Limnology: lake and river ecosystems. 3. ed. California: Academic Press, 2001.




A abreviatura do periódico é e-Sci, o qual deve ser utilizado em bibliografias, notas de rodapé e para referências. ISSN: 1984-7688, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da e-Scientia, exceto quando identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.